Archive

Archive for the ‘Salão do Automóvel 2008’ Category

Chevrolet Traverse – a Captiva Americana e o Ágile Argentino – o Viva brasileiro

transverse-2009-01
De um lado o Chevrolet Traverse apresentado no último Salão do Automóvel no Brasil em 2008, com desenho que segue o novo visual global da Chevrolet. A grade cromada, os faróis, rodas aro 20 polegadas e pneus grandes, além dos pára-choques envolventes e as linhas da carroceria alongadas, compõem o desenho externo do veículo.

Sinalizadores de direção integrados aos espelhos retrovisores externos; spoiler traseiro integrado ao vidro da tampa traseira, escapamento duplo e teto-solar elétrico panorâmico. Sob o capô do crossover da Chevrolet está um motor V6 de 3.6 litros com injeção direta de gasolina que gera 292 cavalos de potência e 37,3 kgfm de torque. Esta motorização é a mesma presente nos modelos Omega e Captiva.

A transmissão do crossover da Chevrolet é a Hydra-Matic, automática, de seis velocidades. O veículo possui ainda sistema AWD (All Wheel Drive), que oferece melhor tração em superfícies escorregadias, gerenciando ativamente a distribuição de torque entre os eixos dianteiro e traseiro, conforme a rotação da roda, as condições do acelerador e da superfície. Não há qualquer intervenção do motorista: o sistema decide automaticamente a quantidade de torque a ser aplicada, distribuindo-a às rodas que têm melhor tração.

gpix_viva_agile

De outro lado o Ágile – modelo que está sendo fabricado na Argentina e que deve ser o modelo Viva que a GM lançará também por aqui em breve.

Ele terá motor 1.4 litros EconoFlex em sua versão básica e com motor 1.8 litros FlexPower em sua versão top de linha. O painel virá com iluminação azul, design arrojado e leds azuis de alta intensidade no lugar de faróis de milha. O Chevrolet Viva 2009 será vendido no Brasil por um preço inicial de R$ 40 mil.

Existe até um Hot Site da Marca apresentando o modelo inspirado na Linha GPix. 

Resta saber se após o maremoto nas montadoras mundias e com a afirmativa do governo em manter o IPI nos mesmos patamares até próximo do fim do ano, a GM trará realmente o carrão pra cá.

Veja o vídeo da Traverse:

Cai previsão de vendas de Ferraris no mundo

dezembro 9, 2008 1 comentário

 Divulgação

Novembro de 2008 foi um mês para a Ferrari esquecer. Com meras 92 unidades vendidas, o número nem passa perto do montante negociado no mesmo mês no ano passado, quando 600 Ferraris foram vendidas. É a crise econômica mundial que chegou à Maranello, forçando o fabricante a lançar medidas que vão desde a demissão de pessoal a redução na produção.

Segundo o comunicado da empresa divulgado hoje, a linha de montagem na Itália ficará desativada por 20 dias, visando a redução do atual estoque. Outra ação para corte de custos será o fim do contrato de 300 funcionários temporários da Ferrari. A meta de vender 10.000 carros por ano até 2010, também foi abandonada.

Nossa observação: Poxa, agora que íamos comprar uma para divulgar o Blog  CONTA GIROS a crise chegou… é uma pena…mas quem sabe em 2130…

Vamos continuar tentando, quem sabe agora o preço não dá uma caída e aproveitamos uma promoção? Poderia ser uma como a 430 aqui embaixo….

Ferrari

Ferrari

Conheça a História do Salão do Automóvel

outubro 27, 2008 1 comentário

HISTÓRIA DO SALÃO DO AUTOMÓVEL

 

 

SALAO DO AUTOMOVEL

SALAO DO AUTOMOVEL

1960

– É inaugurado, em 25 de Novembro, o 1º Salão de São Paulo (chamado Salão do Automóvel), no Pavilhão de Exposições do Ibirapuera (Zona Sudoeste). O evento reuniu as 12 montadoras existentes na época no país (Willys Overland, DKW-Vemag, General Motors, Ford, FNM, Simca, Volkswagem, Toyota, Romi-Isetta, International Harvester, Scania Vabis e Mercedes Benz) e grandes fábricas de peças e componentes. Em exposição, havia carros como o Aero-Willys, o modelo 61 da Renault Dauphine, o DKW, a Rural Willys, a Kombi e a Chevrolet Amazonas, além do primeiro automóvel experimental fabricado no país: o Saci, construído pela Willys-Overland do Brasil.

1961 – O 2º Salão do Automóvel teve como destaques o Willys Interlagos, primeiro modelo de concepção totalmente brasileira, o Simca Chambord, o Centaurus (da Automóveis e Motores Centaurus, de Campinas/SP) e o Volkswagen 1.2.

1962 – O 3º Salão do Automóvel celebrou a marca de 97% de nacionalização da fabricação de veículos. Entre os destaques estavam o Aero Willys 2600 (apresentado também no Salão de Paris), a perua Simca Jangada, o esportivo VW Karmann-Guia, o DKW Fissore, o Scania – Vabis L-75. A Toyota mostrou seu jipe Bandeirante, a Mercedes-Benz seu primeiro ônibus de turismo (com geladeira e sanitário), a Ford trouxe seu trator 8-BR, a Caterpillar, o modelo Traxcavator e a Huber Warco, a motoniveladora HD. A partir dessa edição o evento passou a ser bienal.

1964 – A quarta edição comemorou a marca de 1 milhão de veículos produzidos no país. A indústria começou a mostrar melhorias mecânicas, como a caixa de câmbio com quatro marchas para frente sincronizadas do Aero Willys 2600, a mistura automática óleo-gasolina da DKW-Vemag, a suspensão pneumática para ônibus da linha FNM, a cabine avançada dos caminhões leves e o eixo traseiro de duas velocidades e reduções dos caminhões pesados Mercedes-Benz. Outras novidades foram o Aero-Willys 65, com novo design, a Vemauguet Rio, o Belcar, o esportivo GT-4200, da Brasinca, com motor Chevrolet, e a Veraneio, da General Motors.

1966 – É inaugurada a quinta edição do salão, que coincidiu com a comemoração dos 10 anos da implementação da indústria automobilística nacional. O evento é marcado pelo lançamento de dois modelos de luxo, o Itamaraty Executivo e o Ford Galaxie, além do esportivo Puma, sucesso de vendas nos anos seguintes, e novidades nas autopeças, como os faróis de iodo da Cibié.

1968 – É realizado o sexto e último Salão no Parque do Ibirapuera marcado pelo lançamento de produtos em uma nova faixa de mercado até então inexplorada: o carro médio. Entre as novidades, a Chrysler lança o seu esportivo GTX, a Ford-Willys traz o Corcel e o Galaxie LTD, a GM apresenta seu primeiro automóvel: o Opala e a Volkswagen lança o sedan 1.6, de quatro portas.

1970 – Em 20 de novembro, o 7º Salão do Automóvel inaugura o Parque de Exposições do Anhembi (Santana, Zona Norte), construído por Caio de Alcantara Machado, especialmente para abrigar as mostras industriais. As grandes novidades são o Dodge Charger, com motor V8 (oito cilindros em “V”), da Chrysler, de 205 cv (cavalos), o Meta 20 de Chico Landi, o FEI X-3 (com motor Chrysler de 300 HP), o Alfa Romeo 2150 da FNM, o Corcel GT e o Landau da Ford, o Karmann-Guia TC, o TL e a Variant, da Volkswagen. Além do primeiro carro elétrico brasileiro (fabricado pela Icovel) e vários modelos de buggies.

1972 – Com a estratégia de atingir o mercado externo, é aberta a oitava edição da feira, com 236 expositores. Foram apresentados o Dodge 1.8, conhecido como Dodginho, o Maverick, o Puma GTB, o SP-2 e o MP Lafer, réplica do MG inglês. Foi mostrado o primeiro desenho oficial do Chevette, lançado cinco meses depois. Uma curiosidade foi o Kadykete, o primeiro veículo elétrico brasileiro produzido em série, pela Johnson, em São José dos Campos (97 Km a nordeste de são Paulo).

1974 – A nova versão do evento é marcada pela simplicidade e pela funcionalidade. As novidades foram o Passat, o Fusca 1.6, popularmente conhecido como Fuscão, a Caravan, derivada do Opala, e o ESF-22, modelo mais seguro da Mercedes-Benz, além do mini Puma, tentativa de carro econômico, e o Itaipu, carro elétrico da Gurgel. As motocicletas também foram destaque dessa edição, entre elas a Honda CB-200 (partida elétrica, freio a disco), a Suzuki GT-125 (freio hidráulico a disco, câmbio de cinco marchas) e a Yamaha RD-125, com o anúncio de sua fabricação no Brasil. A Honda 1000-Gold faz sucesso, com um modelo desenvolvido para a disputa de recordes de velocidade.

1976 – Celebração dos 20 anos da implementação da indústria automobilística nacional. Com a crise do petróleo, os fabricantes de veículos já apresentam, no 10º Salão do Automóvel, motores adaptados para uso do álcool. O setor de caminhões mostrou os leves FNM- Fiat 70, os pesados da Mercedes Benz (cavalo mecânico para 40t) e da Scania Vabis (LKS-140, com motor de 350 c.v.). Entre os utilitários e os especiais, os destaques ficam por conta do Gurgel X-20, para qualquer terreno e o trator Florestal 510. A Fiat participa pela primeira vez do evento com o Fiat 147.

1978 – O 11º Salão do Automóvel comemora a marca dos 2 milhões de carros produzidos no Brasil. A General Motors apresenta uma versão mais sofisticada do Opala: o Diplomata, além do Chevete de quatro portas. A Alfa Romeo mostra uma versão do seu modelo 2.300: a Executive, e a Volks exibe a Brasília de quatro portas. A Ford mostra o Corcel 1.6 (com câmbio de 5 marchas a frente), o Maverick de injeção transistorizada e o Dodge Polara, de transmissão automática. Atraíram a atenção dos visitantes os carrozzieri, com os modelos Dardo F 1.3, da Corona, o primeiro esportivo com mecânica Fiat; e o Ventura, esportivo de L’Automobile, com mecânica VW-1600. No segmento de motocicletas o destaque foi a Yamaha TT-125, primeira moto brasileira para qualquer terreno. Presentes também os esportivos Adamo, Miúra, santa Matilde e GTM Malzoni.

1981 – Com muitas novidades, apesar da crise financeira do setor, é aberta a 12ª edição da mostra. A VW apresenta o Gol, o Voyage e a Saveiro. A Ford apresenta o Del Rey, e a Fiat, a Panorama. É mostrado também o protótipo Xef, minicarro da Gurgel.

1983 – A Salão tem uma edição especial chamada Salão do Automóvel a álcool, visando apoiar o esforço governamental de implantação do uso desse produto. Entre os destaques estão o VW Santana e o Itaipu E-500, com tração elétrica e autonomia de 80 Km.

1984 – Comemora a produção de 15 milhões de automóveis no país. O 13º Salão do Automóvel apresenta protótipos de modelos projetados para o ano 2000, montado com vários equipamentos eletrônicos, o Lean Machine, da GM, muito parecido com uma motocicleta, e o Probe 4, da Ford, mais aerodinâmico e econômico. Outros lançamentos são o VW Santana Tecno II, com tração das quatro rodas, freios antiblocantes, injeção eletrônica e microprocessadores no controle de combustível, além da linha Fiat Uno. Pela primeira vez, a Gurgel passou a expor na área das montadoras grandes, lançando a Carajá e a Van MC-1000.

1986 – É a primeira vez que a indústria brasileira não participa do Salão. Foram importados 59 veículos norte-americanos, japoneses, alemães, ingleses, italianos e franceses. Entre eles, estavam a Ferrari 328, BMW 735 e o Porche 911.

1988 – É inaugurado o 15º Salão de São Paulo, marcado pela modernidade, com novidades eletrônicas nos automóveis fabricados no Brasil. A Volks mostra seu novo Gol GTI e a GM, o Monza, já com injeção eletrônica de combustível. Os lançamentos são as vans Bonanza e Veraneio, da GM, além da Parati 1.8 Scooter, da Volks. Os destaques ficaram por conta do Orbit e Scooter da VW, os Probe-V e XR-3 da Ford, além do Venture da GM. A Gurgel apresentou seu novo BR-800.

1990 – Ocorre o 16º Salão de São Paulo. Com a abertura do mercado, são expostos alguns modelos importados, como a Ferrari F-40, o luxuoso Crown, da Toyota, o Alfa Romeo 164, o Thunderbird e a van Aerostar, da Ford. Entre os nacionais, estão os novos Monza, Gol e Voyage.

1992 – Na 17ª edição, chamada de “Salão da Abertura”, a indústria brasileira coloca seus produtos ao lado dos importados. A GM exibe o Saab 900, e a Ford, o utilitário esportivo Explorer. Entre os nacionais da GM, está a perua Suprema, derivada do Omega. A Fiat lança o Tempra de duas portas e a Ford o novo Escort. A Kia anotou 600 pedidos firmes para a sua perua Besta, montada em Manaus.

1994 – A grande novidade do 18º Salão é a confirmação do Mercosul como um dos maiores mercados mundiais para a indústria automobilística. Já se anuncia a época de ouro dos “populares” (carros com motor 1.0), iniciada com o Uno Mille, da Fiat. São mostrados o Gol 1.0 Plus, da VW, e o Vivio, popular da japonesa Subaru. As vedetes são a Ferrari 456 GT e a perua Audi RS2. A Ford inicia a importação do Ford Fiesta, com motor 1.3, e o sedan Mondeo. Estrearam no mercado os Bughatti, Lamborghini, Jaguar e Lotus, entre as importadoras. Também são apresentados o Fiat Coupé (carroçaria Pininfarina), da Fiat, o Alfa Romeu 164; o esportivo Corsa GSI e o Astra da General Motors, além do Fiesta, Mondeo e a Picape Ranger da Ford, o “popular” Vivio e a nova WS Legacy, da Subaru; os sedans de luxo Prince e a Super Salon Daewoo; o Audi A8; o Eclipse GS turbo, o Lancer GLXi e a linha Colt da Mitsubishi; a Volvo 850 SW; a BMW Compact 316i e o jipe Kia Sportage.

1996 – O 19º Salão tem como marca a expansão do setor, com 300 expositores, entre nacionais e estrangeiros. Os lançamentos nacionais são o Chevrolet Corsa Wagon, o Fiat Palio Weekend e o Ford Ka. As importadoras exibem o Jaguar XK8, o Audi A3, o Porche Boxster, o Volvo S 40 e o BMW Z3. A Volkswagen traz da Alemanha o conceito Noah.

1998 – A indústria automobilística brasileira realiza a 20ª edição do Salão trazendo os mais recentes lançamentos do mundo como a Maserati 3200 GT e o Audi TT. Outras novidades são o New Beetle, o Mercedes Classe A, (que se tornaria nacional no ano seguinte) e o Peugeot 206, além da BMW 328, e dos Alfa Romeo 156 e 166. No estande da Ferrari é possível apreciar o 456 M, único modelo com quatro lugares disponível na atual gama da marca. Outro destaque é a instalação, no Brasil, de várias novas fábricas, (Audi, Chrysler, Honda, Land Rover, Mercedes-Benz, Mitsubishi, Renault e Toyota), que reformulam o conceito de modelos nacionais e importados. Uma das principais novidades eram os pouco conhecidos carros elétricos ou Evs (Eletric Vehicles), além do lançamento do Fiat Brava, sucessor do Tipo, o novo Cupê C70 e a perua off-road. A Toyota trouxe o Corolla Nacional e o Prius, primeiro veículo híbrido (movido a gasolina e eletricidade). O Xsara Break foi o lançamento da Citröen, o Série 3 era o destaque da BMW e a Land Rover aproveitou o evento para apresentar o utilitário Freenlander.

2000 – O 21º Salão Internacional do Automóvel (12 e 22 de outubro de 2000) fechou sua última edição do século XX com grande quantidade de lançamentos e os carros conceito mostraram a importância do evento e do Brasil no contexto mundial. Entre as novidades do Salão, o primeiro carro com carroceria totalmente em alumínio foi o destaque da Audi; a vedete da Chrysler foi o PT Cruiser; o Xsara Picasso fez sua pré-estréia no Salão; o Focus foi o principal lançamento da Ford; a Volvo apresentou seu sedã S60 simultaneamente ao Salão de Paris e antes da introdução desse carro no mercado norte-americano; a Volkswagen lançou o Bora, sucesso nos EUA.

2002 – A indústria nacional começa a se estruturar e fabricar veículos em maior escala para outros mercados, como o México, países do Oriente Médio e Mercosul. Na 22ª edição do Salão do Automóvel, os lançamentos ficaram por conta da Ferrari Enzo, da BMW Z4, do Audi A8, do PorscheCayenne, do Ford Streetka, do Honda Accord e do Mitsubishi Airtek. Naquele ano, os utilitários esportes começavam a mostrar uma tendência de design de veículos que viria a se firmar a partir daquela edição do evento. É o caso do EcoSport, da Ford. Na ocasião também foram apresentados ao público o Honda Fit, o Citröen C3 e o Nissan Xterra.

2004 – Na 23ª edição do Salão Internacional do Automóvel mais de 180 expositores representaram 32 marcas de automóveis que exibiram ao público pouco mais de 460 veículos, de diferentes modelos e versões. Os destaques em veículos ficaram por conta de montadoras como Ferrari, Maserati, Ford, Peugeot, GM, Volkswagen, Renault e outras. Modelos como o Pólo Sedan, da Volks, teve lançamento mundial no Salão. Já a Honda fez uma pré-apresentação do Fit, que hoje é um sucesso no mercado nacional. A Citröen trouxe o C3, a GM destacou, entre os seus cinco lançamentos, o Meriva. A Ferrari e a Maserati apresentaram ao público carros inéditos, também símbolos clássicos do automobilismo de alta performance. Representando a famosa “Casa de Maranello” estava a recém-lançada Ferrari 612 Scaglietti, inédita no Brasil e que chegava direto para o Salão Internacional do Automóvel. A Maserati, por sua vez, trouxe direto da apresentação mundial no Salão de Paris seu super bólido MC-S, com o mesmo DNA da Ferrari Enzo.

2006 – O maior evento da indústria automobilística da América Latina teve como tema “Paixão, Emoção e Evolução”. A 24ª edição do Salão Internacional do Automóvel comparou-se a duas mostras memoráveis: a de 1976, quando o Brasil recebeu a Fiat, quarta montadora a instalar-se em solo nacional; e a de 1990, ano da abertura do mercado brasileiro, quando os modelos importados começaram a freqüentar as ruas do País de forma mais intensa. Além disso, ocorreu em um momento bastante especial, justamente no ano em que a indústria automobilística nacional completou 50 anos de fundação. Os destaques dessa edição ficaram por conta dos modelos superesportivos e os carros-conceito. Na linha dos superesportivos chamou a atenção os traços ousados do Z4 Cupê, da BMW. Um dos grandes momentos ficou por conta da reaparição de um dos sonhos de consumo do final da década de 1960, o Mustang Shelby GT500, da Ford, que veio a este Salão numa versão agressiva e moderna. Destaque também para a concorridíssima do público, a Ferrari GTB 599 Fiorano, com preço estimado, na época, em R$ 2 milhões. O Porsche Carrera GT, um dos esportivos mais luxuosos, nunca havia sido exposto no País, e o Salão foi a oportunidade única para ver essa maravilha de 612 cavalos. Outro que esbanjava charme foi o Eos, lançamento esportivo da Volkswagen. O grande atrativo do veículo é poder se transformar de cupê para conversível em apenas 20 segundos. Uma combinação que misturava design arrojado e desempenho notável eram as características do Chevrolet Camaro. Já a Volvo apostou num pequeno porta-malas para o seu cupê-cabriolet C70 Cabrio. Um motor V8 4.2 de 300 cavalos foi apresentado no XK Jaguar. Outro modelo também consagrado no exterior presente no Salão foi trazido pela Peugeot: o 407 Cupê, que registrou sua marca como um esportivo que traz um amplo conjunto tecnológico e o estilo moderno e ousado das versões Sedan e SW. Outra francesa que investiu nos esportivos foi a Renault, que apresentou o novo Mégane Cabrio. Já a Mitsubishi trouxe, pela primeira vez no País, o modelo Eclipse, com motor V6, com novo design e tração integral. Em se tratando de carros-conceito, chamou atenção o Fine-T, da Toyota, que, ao invés de volante, possuía um manche e o banco do motorista “sai” do carro para receber o condutor. A Nissan trouxe o Zaroot, nova versão de utilitário-crossover, mesmo caso do Concept-T, da Volkswagen; do Concept FCC, da Fiat, e do HCD9 Talus Concept, da Hyundai. Já o Prisma Y, da Chevrolet, apareceu no Salão para verificar a aceitação do público e, num futuro próximo, concorrer no mercado de off-roads. Para finalizar, o 20Cup, da Peugeot, apresentou uma característica peculiar: três rodas e foi testado na famosa “24 horas de Le Mans”.

Peugeot 2007 Cabriolet e Renault Sand’Up Concept – Salão do Automóvel 2008

outubro 27, 2008 Deixe um comentário

PEUGEOT CABRIOLET 2007

A Peugeot trouxe para o salão do automóvel a versão 207 CC, visando a uma possível importação no futuro. Sua capota se retrai em 25 segundos e revela um interior caprichado, bem europeu e com pegada esportiva. O motor é 1.6, que pode desenvolver entre 120 cv e 175 cv. A Peugeot quer verificar se a aceitação local do carro tem potencial para repetir a do 206 CC, um sucesso de vendas no Brasil.

Peugeot 2007 cabriolet

Peugeot 2007 cabriolet

_________________________________________________________________________________

RENAULT TRAZ UMA VERSÃO CONCEITO FEITA NO BRASIL

A apresentação da montadora no Salão de SP ressaltou números positivos como o crescimento de 82% desde o início da estratégia de reestruturação de sua gama de veículos, tomando como base o gosto (e o poder aquisitivo) do público brasileiro. Quanto aos carros, a novidade, por assim dizer, ficou a cargo do primeiro conceito da marca, o Sand’Up Concept.

A Renault trouxe também um exemplar do Sandero Stepway. A versão de entrada custa R$ 44 mil e traz direção hidráulica como equipamento de série.

Tecnicamente, o Sandero Stepway está mais distante do solo (185 mm) e com bitolas maiores (dianteira de 1.504 mm e traseira de 1.484 mm). Com isso, em comparação com o Renault Sandero Hi-Flex, o Stepway ficou um pouco mais largo, de 1.746 mm para 1.751 mm.

Na hora da compra, o Sandero equipado com o mesmo motor do Stepway (1,6-litro de 16 válvulas com 112 cv) sai por R$ 45 mil. Ou seja, praticamente não há diferença de valores entre uma versão e outra.

Sand'Up Concept

Sand

Nissan no Salão do automóvel 2008

outubro 27, 2008 Deixe um comentário

A Nissan mostrou no Salão de SP dois exemplares de carros de passeio que serão produzidos na fábrica de São José dos Pinhais (PR) em 2009: o monovolume Livina (visto na foto acima), para 5 pessoas, e seu irmão maior, o Grand Livina, para até sete passageiros com a utilização de uma terceira fileira de assentos escamoteáveis.

Nissan Livina 2009

Nissan Livina 2009

O Livina deve ganhar as ruas em março de 2009 com duas motorizações flex (bicombustível), 1.6 e 1.8, e opção de câmbio mecânico ou automático. Segundo a montadora, sua missão será disputar mercado com a segunda geração do Honda Fit, referência em um segmento que tem ainda Fiat Idea e Chevrolet Meriva.

Já o Grand Livina deve chegar em meados do próximo ano e contará com uma segunda fileira de bancos que deslizam sobre trilhos para melhorar o acesso à última linha de assentos. A motorização será 1.8 flex, com opção de transmissão mecânica ou automática. O conceito deste carro, porém, difere do que se costuma ver por aí quando se ouve o termo “sete lugares”. Para a Nissan, o Grand Livina é “mais um Volkswagen Spacefox e menos uma Zafira ou uma Grand Scénic”, o que explica o perfil mais alongado e centro de gravidade mais baixo do modelo.

Outra atração do estande é o superesportivo GTR, com motor V6 de 3.8 litros e 473 cavalos. A máquina, que faz o 0-100 km/h em 3,5 segundos, segundo a fabricante, pode ser observada por todos os ângulos apenas no salão, uma vez que não deverá ser produzida no país e sequer tem a importação dada como certa.

Fonte: UOL Carros

%d blogueiros gostam disto: