Arquivo

Archive for the ‘Salão de Buenos Aires 2011’ Category

Saiba quais os lançamentos que a GM levou para o Salão de Buenos Aires 2011

A Chevrolet mostrou neste final de semana com a abertura oficial do Salão de Buenos Aires 2011 (de 17 a 26 de junho) alguns modelos que logo logo estarão aportando em solo nacional. Um dele é o o conceito Cobalt, um sedã criado a partir do hatch Agile. O resultado é um carro com bom aproveitamento de espaço. O protótipo foi desenvolvido pelo Centro Tecnológico da General Motors na América do Sul.

O conceito exposto utiliza teto de vidro para permitir a entrada de luz natural e ainda traz iluminação por duas fileiras de LEDs azuis, a fim de aumentar a sensação de espaço interno. Para atender diferentes mercados ele poderá utilizar motores de 1,3 a 1,8 litro a gasolina, diesel ou flexíveis. No mercado brasileiro é certa a utilização do 1.4 Flexpower que já equipa o Agile. Haverá opções automática e manual.

O acabamento interno caprichado deixa claro que ele também será vendido em outros mercados. O revestimento utiliza dois tons de cinza, imitação de madeira e sistema de navegação com tela de sete polegadas.

Outro destaque da GM no salão argentino é também um protótipo, o Colorado Rally, que antecipa as linhas da próxima picape S-10. O estilo é bem semelhante ao do utilitário Esportivo Captiva. Assim como a rival Ford Ranger, o conceito Colorado já havia sido mostrado recentemente no Salão de Bangcoc 2011.

Para criar a Colorado Rally, o design da GM na América do Sul pesquisou elementos desse esporte. O conceito, uma picape de cabine dupla, surgiu a partir de equipamentos que melhoram o desempenho dos carros nas pistas e também ajudam piloto e navegador.

As rodas têm 18 polegadas e calçam pneus 305/60 R18. O motor é um 2.8 turbodiesel, mas a GM não informa sua potência. O para-choque dianteiro traz um guincho com capacidade para 4 mil quilos.

O Volt também está em Buenos Aires. O modelo elétrico, que já é vendido nos Estados Unidos com preço inicial de cerca de US$ 40 mil, era cotado para o Salão do Automóvel de São Paulo em 2010, mas em vez dele veio mesmo o esportivo Camaro.

Outro que voltou a dar as caras na América do Sul foi o Aveo RS que também esteve no Brasil o ano passado e segundo diz a lenda em breve entrará oficialmente no mercado como um Hatch de combate da GM na linha do Bravo ou i30, será?

Anúncios

Início do Salão de Buenos Aires 2011 mostra que o Brasil é o centro das atenções

Com informações diretas do site AUTOMOTIVE BUSINESS, saibam um pouco mais sobre o aconteceu neste final de semana em Buenos Aires.

O 5º Salão do Automóvel de Buenos Aires 2011, aberto ao público na sexta-feira, 17, tem inegável sabor de recuperação para a indústria automobilística local, pois a exposição bienal ressurge após quatro anos de ausência – a última foi em 2007, porque em 2009, no auge da crise financeira mundial, a mostra foi cancelada.

Este é mesmo o ano da recuperação para a Argentina automotiva, que prevê produzir o recorde de 800 mil veículos. Como cerca de 60% deles serão exportados para o Brasil – mesmo que com algum contratempo a mais na fronteira, à espera das licenças de importação exigidas pelo governo brasileiro desde maio –, o salão portenho é uma vitrine para brasileiro ver; ao menos para aqueles que conseguiram voar para lá, driblando as cinzas do vulcão chileno que causaram o cancelamento de diversos voos.

Com forte apelo político e discurso nacionalista de recuperação da indústria argentina, esta edição do Salão de Buenos Aires é voltada àqueles que fabricam carros no país. Grande parte dos importadores foi afugentada pelas crescentes restrições impostas pelo governo argentino. Por isso a exposição deste ano tem 11 expositores a menos do que em 2007. Entre os ausentes estão marcas como BMW, Volvo, Kia, Mitsubishi e Land Rover.

Poucas das marcas premium ficaram animadas em gastar entre US$ 300 mil e US$ 500 mil para montar luxuosos estandes no salão e depois ter problemas com a aduana para fazer negócios no país. E os importadores que insistem no mercado argentino foram obrigados a fazer curiosos acordos de compensação comercial com o governo para continuar vendendo. A Alfa Romeo, por exemplo, precisou se comprometer a construir uma destilaria de biodiesel. “Não é fácil para uma firma que desenvolve um negócio ter de fazer outro”, desabafou ao jornal Clarín a coordenadora de operações da marca, Carolina Belcastro.
Novidades

Assim o salão portenho ficou mais centrado nas marcas que produzem no país, com diversas novidades que em breve devem chegar ao Brasil. Como o salão brasileiro só acontece no ano que vem, quase todos os fabricantes presentes em Buenos Aires aproveitaram a oportunidade para anunciar algumas novidades.

Entre as atrações principais para o mercado brasileiro, a General Motors mostrou em seu estande dois protótipos que devem chegar ao Brasil em 2012: um é o Cobalt, a versão sedã do Agile fabricado em Rosário, o outro é a picape Colorado Rally, que tem toda pinta de ser a nova S10 a ser produzida no Brasil, em São José dos Campos. A GM aproveitou o evento ainda para anunciar novo investimento de US$ 150 milhões para elevar em 25% a capacidade de sua planta na Argentina, onde recentemente comemorou a produção de 900 mil veículos desde o início das operações, em 1997.

O lançamento mais importante da Ford no salão foi a nova Ranger, que em breve começa a ser produzida na Argentina e traz investimentos de US$ 250 milhões para a fábrica de General Pacheco. A picape foi globalizada e será produzida em três lugares no mundo: Tailândia, África do Sul e Argentina, que ficará encarregada de exportar o modelo para toda a América Latina. No Brasil a chegada da nova Ranger está prevista para o primeiro semestre de 2012.

No estande da Volkswagen, a principal novidade foi a versão aventureira da SpaceFox, batizada de SpaceCross, que chega ao Brasil ainda este ano, durante o segundo semestre. Especula-se que o modelo poderá substituir o CrossFox, que deixaria de ser fabricado. Também foi apresentada a versão cabine simples da picape Amarok. Ambos os modelos são produzidos na Argentina, onde a VW é líder de mercado.

A Fiat aproveitou a mostra argentina para mostrar o pequeno 500 produzido na fábrica da Chrysler em Toluca, no México, que começa a ser vendido no Brasil em setembro, com isenção do imposto de importação.


%d blogueiros gostam disto: