Arquivo

Archive for the ‘Motos Suzuki’ Category

Conheça a nova GSW 250 da Suzuki que foi mostrada esta semana durante a 10ª edição do CIMAMotor na China

outubro 20, 2011 1 comentário

A Suzuki mostrou esta semana em solo Chinês durante a 10ª edição do CIMAMotor, salão de motos tradicional no país que ocorreu esta semana, a nova GW 250. Esta motocicleta será produzida juntamente com a Haojue, parceira da marca japonesa no país asiático, e tem como atração o visual inspirado na naked de alta cilindrada GSX1300 B-King.

De acordo com a Suzuki, além de ser produzida para mercados emergentes como o da China, é possível que a distribuição da GW 250 começe ainda em meados de  2012 e, segundo a marca, será exportada para Europa, Indonésia, América Central e América do Sul. isso inclui também o Brasil, apesar da representante da marca no país a J. Toledo não confirmar sua vinda.  Atualmente seus principais rivais seriam a Honda CB 300R, Yamaha Fazer 250 e Kasinski Comet 250.

A motocicleta está equipada com motor de dois cilindros com refrigeração líquida e 248 cm³. Seus dados de potência e torque não foram divulgados.

Anúncios

Quem quer investir no mercado de venda de motos?

maio 28, 2011 1 comentário

Concessionária de moto Suzuki, uma das marcas que vêm acompanhando a evolução do mercado

O momento parece ser propício para investir no segmento. Mas você se arriscaria? Tem bala na agulha? Veja o que dizem os especialistas em relação ao mercado:

O segmento de duas rodas pode representar boa oportunidade de negócios para novos distribuidores, pelo menos é o que dizem as pessoas que trabalham neste segmento. O fato é que o mercado de motocicletas está aquecido e a Abraciclo, associação que reúne fabricantes instalados no País, acredita que este ano as vendas podem superar o resultado de 2008, até agora o melhor ano da história do setor, com quase 2 milhões de unidades emplacadas no Brasil. E as perspectivas são de crescimento constante: um recente estudo do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) divulgado na quarta-feira, 25, revela que em dez anos haverá mais motos nas ruas do que carros.

Para aproveitar o boom do mercado de motos, o investimento em uma concessionária pode começar em R$ 300 mil e superar R$ 1,5 milhão, assemelhando-se bastante ao custo para abrir uma revenda de automóveis de algumas marcas.

Sérgio Castro, gerente de novas concessionárias da Suzuki, explica como a marca procede: “Fazemos uma divisão entre investimentos até R$ 300 mil, até R$ 600 mil e acima de R$ 600 mil, tomando por base o número de emplacamentos na região concedida”, diz. Ele explica a necessidade de investimentos mais altos nos grandes centros. “Costumo dizer que São Paulo é a jaula dos leões. Se você puser uma zebra ali dentro ela será comida. A oficina tem de ser bem equipada, com seis elevadores ou mais, e o estoque precisa ser grande também, algo entre R$ 300 mil e R$ 400 mil em peças.”

A marca também permite ao concessionário a abertura de pontos de venda e ele pode até terceirizar esse investimento, desde que se responsabilize pela loja. Outra operação que a Suzuki vem concedendo é a abertura de oficinas autorizadas, que requerem investimento menor, de cerca de R$ 50 mil em ferramentas, estoque e treinamento.

Para abrir uma revenda Kasinski na cidade de São Paulo, o investimento necessário fica próximo a R$ 1,2 milhão. A marca ocupa hoje a quinta posição nos emplacamentos e a terceira em produção.

A Dafra, terceira em vendas, orienta o interessado a procurar a área comercial da empresa e não revela outras informações por considerá-las “estratégicas e confidencias”. O mesmo faz a líder de mercado Honda, que orienta o interessado a formalizar uma proposta à área comercial e ressalta a importância de ter um projeto em mãos, um local e uma proposta clara para abertura da revenda.

E aí vai encarar o negócio?

Siga o Blog Contagiros no:

 

Suzuki V-Strom 650 série Xpedition foi apresentada esta semana na Inglaterra

Normalmente publicamos notícias sobre os carros da Suzuki, mas como eles tem tido poucas novidades no mercado, neste caso a matéria será sobre a Suzuki V Strom 650 Xpedition.

A Suzuki da Inglaterra acabou de apresentar uma versão especial para aventureiros da V-Strom 650, a “Xpedition”.

A V-Strom 650 Xpedition é baseada na V-Strom 650 com ABS com a adição de vários acessórios.

O principal destaque fica por conta das maletas laterais rígidas de alumínio com capacidade de 82 litros. Esta versão especial ainda conta com protetores de mãos, cavalete central, protetor do motor em alumínio, entre outros.

Na Inglaterra, a versão “Xpedition” tem valor sugerido de 7.300 libras, pouco mais de 20 mil reais numa conversão direta.

Para quem gosta deste tipo de modelo é um prato cheio, pena que se importar direta ela chegaria por no mínimo uns R$60 mil.

De qualquer forma curtam as imagens:

Veja outras matérias interessantes do Blog Contagiros em:

Os 10 maiores recalls de veículos do ano

Dizem que uma das vantagens de se comprar um carro zero é não ter que visitar o mecânico com mais frequência do que a sua família. Assim, você sai da concessionária esperando uma relação estável e duradoura com seu veículo  – pelo menos até que venha a próxima redução do IPI.

Eis que, de repente, a montadora faz uma convocação de recall, algo mais desagradável do que o técnico da Seleção Brasileira não convocar o craque do seu time para a Copa. Risco à segurança e dor de cabeça para o consumidor, pesadelo para as companhias. Estamos ainda em maio, mas o Procon-SP já registrou 21 recalls no Brasil em 2010*. Você sabe quais foram os maiores do ano?

10. Volvo XC60

Um indesejado problema com os cintos de segurança do motorista e do passageiro dianteiro fez a Volvo convocar seus clientes no dia 24 de fevereiro.  Segundo a montadora, os modelos 2009 e 2010 precisam de “reparo do painel lateral dos assentos devido à possibilidade de desprendimento do cinto de segurança em caso de impacto lateral”. Ao todo, foram 322 convocados.

9. Pajero TR4 Flex


Em abril, foi a vez da Mitsubishi Motors chamar os compradores do utilitário esportivo Pajero TR4 para uma visita de retorno, devido ao problema nos parafusos de fixação da válvula no motor. Quem tem os modelos 2009 e 2010 – total de 5435 Pajeros – deve checar se os parafusos podem ficar frouxos, o que deixaria o carro acelerado.

8. Citröen C4


Se o seu C4 hatch ou C4 Pallas 2009 e 2010 apresenta “endurecimento da direção em manobras rápidas”, fique atento. A montadora convocou o recall para evitar que o problema provoque acidentes. Desde o dia 12 de abril, são esperados 6.215 carros para fazer a checagem.

7. Frontier Nissan


A Nissan chamou e 10.624 proprietários da picape Frontier (modelos 2008 a 2010) terão que verificar a “junção da coluna com a caixa de direção”. Talvez você nem saiba o que isso significa, mas, em casos extremos, esta junção pode se soltar e causar a perda do controle do veículo. Ou seja, melhor voltar à concessionária para dar uma olhada nisso.

6. Peugeot 307

Se os faróis do seu Peugeot 307 (Sedan ou Hatch, 2008 e 2009) se apagam repentinamente sem a sua intervenção, é porque provavelmente você está entre os 13.739 convocados no recall da montadora. Desde janeiro a Peugeot reconheceu que “foi constatada uma falha na identificação da posição do comando no acendimento dos faróis”.

5. Burgman AN125


A Suzuki Motos anunciou o recall do scooter Burgman Automatic 125 em março, depois de diagnosticar problema na tampa do tanque de combustível. Foram chamados 42 mil donos de modelos 2008 e 2009 para a substituição da tampa e, assim, evitar o possível vazamento de gasolina.

4. Fiat Stilo

A Fiat convoca desde março 52.474 proprietários dos modelos 2004 a 2010 do Stilo, após decisão do Ministério da Justiça. Um defeito no conjunto do cubo da roda dos veículos poderia, em último caso, causar a soltura da roda e provocar acidentes.

3. NXR 150 e XRE 300

A Honda chamou para retornar à concessionária nada menos do que 143 mil motos em abril, modelos NXR 150 e XRE 300 e anos 2009 e 2010. De acordo com a montadora, algumas unidades podem apresentar “um retorno lento do acelerador, podendo levar à perda de controle da motocicleta, com eventual queda”.

2.  Honda FIT

A Honda também teve que convocar outros 186.902 clientes desde fevereiro, devido a problemas no sistema dos vidros elétricos do Honda Fit.  O defeito no comando dos vidros pode, “em casos extremos, gerar curto-circuito e risco de incêndio”.

1. Novo Gol e Voyage


São quase 200 mil (193.620) proprietários que têm em comum a necessidade de voltar à concessionária Volkswagen para inspecionar por cerca de uma hora e meia o rolamento das rodas traseiras dos seus carros. O comunicado de recall foi feito em fevereiro, para os modelos 2009 e 2010 de Gol e Voyage.  De acordo com a Volks, com o uso do veículo sem reparo pode,  ”em casos extremos, haver o desprendimento da roda e, eventualmente, acidentes”.

Fonte: Portal Exame

Essa e outras matérias você pode seguir pelo twitter

Volkswagen prepara terreno para entrar no mercado de motos

Pode estar chegando mais uma marca de motos no cenário nacional - VW Motorrad

O que parecia improvável pode vir a acontecer o mais breve do que imaginamos. O predidente do grupo VW, o alemão, Ferdinand Piëch, está muito  interessado em entrar no segmento de motocicletas após a aquisição de 20% das ações da Suzuki, informa o  site Motor Dream.

A marca pelo menos já tem um esboço e deverá ser chamada de Volkswagen Motorrad e será uma empresa exclusiva para este segmento. Pode ser que haja participação da Suzuki ou desenvolvimento em conjunto de novos produtos.

Ele menciona também a intenção no mercado de motos que seria a introdução da Audi no segmento. Mas como estamos falando de Volkswagen será com certeza será um mercado paralelo a venda de motos de alto valor e desempenho.

Eles devem estar mais prpensos a trabalhar com motos que tem grande fatia no mercado , como tem hoje o modelo yes e a 125cc da honda por exemplo, mas também não custa pensar em modelos um pouco mais robustos como os da Hornet ou Tornado, Flex… ou quem sabe híbridas…

Fonte: Auto express

Essa e outras matérias você pode seguir pelo twitter

Preços de motos da Yamaha tem desvalorização recorde

fevereiro 26, 2010 Deixe um comentário

Com certeza não foram motos customizadas como a de cima que desvalorizaram

Com uma queda expressiva dos modelos Yamaha, o setor de motos teve nova queda em janeiro, depois de encerrar o ano em baixa: a desvalorização em janeiro foi de 0,56% e no ano todo de 2009 os preços das motos caíram 2,83%.

As motos da Yamaha perderam 4,13% dos preços no primeiro mês deste ano e as da Suzuki 1,49%.

As quedas seguidas de preços ainda são consequências da dificuldade que os fabricantes e revendedores de motos enfrentaram no ano passado, com a crise econômica. O setor foi um dos mais prejudicado, por causa da dificuldade de liberação de crédito.

O anúncio do Governo, de liberação de R$ 3 bilhões para financiamento de motos de até 150cc, surtiu efeito nas vendas. O dinheiro é financiado com taxa de juros de 2% ao mês e, além disso, o governo liberou o pagamento de Cofins até 31 de março. O resultado no volume de vendas foi imediato: em janeiro as vendas cresceram 18,8% em relação a janeiro do ano passado e 21,8% em relação a dezembro (124.548 motos).

Mas os preços continuam em baixa.

Enquanto Yamaha e Suzuki tiveram queda nos preços, Sundown, Honda e Dafra cresceram. A Sundown foi a marca com o maior aumento de preço no mês, 1,80%. A outra marca que cresceu foi a Honda(0,04). A Dafra teve queda de preço de 0,30%. Somente motos importadas tiveram aumento de valores em função da valorização do dólar.

Evolução do preço por marca
(Janeiro /2010)

MARCAS JAN/10
YAMAHA -4,13
SUZUKI -1,49
MERCADO -0,56
IMPORTADAS -0,5
DAFRA -0,3
HONDA 0,04
SUNDOWN 1,8

Preços que mais caíram
(Janeiro /2010)

MARCA_TIPO VERSÃO dez/09 jan/10 VAR.%
HARLEY-DAVIDSON TOURING ULTRA GLIDE CLASSIC Gas. 68.000 58.900 -13,38
SUZUKI GSX 1300 B-KING Gas. 61.000 52.900 -13,28
KASINSKI COMET GT R 250 EFI Gas. 17.000 14.800 -12,94
KASINSKI MIRAGE POWER 650 EFI Gas. 32.000 28.000 -12,5
YAMAHA XTZ 250-X Gas. 13.000 11.400 -12,31
TRAXX FLY JH 125L Gas. 5.690 5.000 -12,13
TRIUMPH SPEED TRIPLE 1050i Gas. 46.200 40.900 -11,47
SUZUKI INTRUDER 125 Gas. 5.300 4.700 -11,32
MVK SUPER 125 Gas. 4.600 4.100 -10,87
YAMAHA V-MAX 1700 Gas. 120.000 107.000 -10,83
SHINERAY XY 110-V WAVE Gas. 3.700 3.300 -10,81
KASINSKI MIRAGE DUAL TONE 250 EFI Gas. 15.000 13.390 -10,73
YAMAHA FZ6-S 600 Gas. 34.000 30.500 -10,29
BUELL LIGHTNING LONG XB12SS 1200 Gas. 42.000 37.900 -9,76
HONDA CG 125 CARGO-ES Gas. 6.400 5.800 -9,38
YAMAHA FZ6-N 600 Gas. 32.000 29.000 -9,38
KASINSKI COMET DUAL TONE 650R EFI Gas. 14.000 12.700 -9,29
AMAZONAS LX 125/26 CUB Gas. 4.400 4.000 -9,09
YAMAHA XVS 950 MIDNIGHT STAR Gas. 33.000 30.000 -9,09
BUELL LIGHTNING CITY-X XB9SX 1000 Gas. 36.000 32.900 -8,61
WUYANG WY-125 ESD PLUS Gas. 3.500 3.200 -8,57
TRIUMPH ROCKET III CLASSIC 2300 Gas. 65.500 59.900 -8,55
MVK BLACK STAR 150 Gas. 5.990 5.500 -8,18
MIZA EASY 125 Gas. 5.200 4.780 -8,08
MVK BRX 140 Gas. 5.000 4.600 -8
TRIUMPH DAYTONA 675 Gas. 43.200 39.900 -7,64
YAMAHA XTZ 125-X/E Gas. 7.900 7.300 -7,59
BUELL LIGHTNING XB12S CG 1200 Gas. 41.000 37.900 -7,56
YAMAHA YS 250 FAZER Gas. 10.800 10.000 -7,41
KASINSKI SETA 125 Gas. 3.990 3.700 -7,27

Preços que mais subiram
(Janeiro /2010)

MARCA_TIPO VERSÃO dez/09 jan/10 VARIAÇÃO %
KAHENA 125 TOP Gas. 5.000 5.820 16,4
HARLEY-DAVIDSON TOUR.ELEC.GLIDE ULTRA F.Inject.Gas. 61.100 71.100 16,37
IROS ONE 125-ES Gas. 4.800 5.500 14,58
KAHENA 125 K-TOP Gas. 4.800 5.420 12,92
HAOBAO HB 110-3 Gas. 3.500 3.950 12,86
IROS MOVING 125-ES Gas. 4.700 5.300 12,77
KASINSKI SETA 150 Gas. 4.000 4.500 12,5
MVK STREET 150 Gas. 4.000 4.500 12,5
DAYUN DY 125-8 Gas. 4.500 5.000 11,11
DAYUN DY 150-7 Gas. 6.800 7.500 10,29
IROS MOVING 125-ESD Gas. 5.000 5.500 10
IROS ONE 125-EX Gas. 5.820 6.400 9,97
HAOBAO HB 125-9 Gas. 4.200 4.600 9,52
SUNDOWN MAX 125-SED Gas. 4.600 4.990 8,48
SUZUKI BOULEVARD M800 Gas. 30.500 32.900 7,87
IROS VINTAGE 150 Gas. 6.500 7.000 7,69
SUNDOWN VBLADE 250 Gas. 12.000 12.900 7,5
US1 US1-5 Speed 200cc Gas. 5.600 5.990 6,96
KTM 990 ADVENTURE Gas. 58.000 62.000 6,9
YAMAHA XTZ 125-E Gas. 7.300 7.800 6,85
SUNDOWN MAX 125-SE Gas. 4.400 4.700 6,82
HONDA GOLD WING GL 1800 Gas. 94.000 100.000 6,38
HONDA CG 150 TITAN-EX MIX A/G 7.900 8.400 6,33
KAWASAKI NINJA ZX 250R Gas. 15.500 16.450 6,13
SUZUKI BANDIT 1250S Gas. 33.000 35.000 6,06
BIMOTA DB5-R DELIRIO 1100cc Gas. 85.000 90.000 5,88
DAYUN DY 150-9 Gas. 5.500 5.800 5,45
HONDA CG 150 TITAN-ESD MIX A/G 7.400 7.800 5,41
IROS MATRIX 150 Gas. 6.660 7.000 5,11
AMAZONAS LX 250 CUSTOM Gas. 12.400 13.000 4,84

Essa e outras matérias você pode seguir pelo twitter

Mercado de motos em 2009 – retrospectiva

dezembro 31, 2009 Deixe um comentário

Moto: Liberdade, estilo de vida, aventura, lazer, trabalho... tudo isso e muito mais

O ano que está prestes a se encerrar não foi dos melhores para o mercado de duas rodas. Ao menos no número de vendas, já que a retração do setor deve ser maior que imaginava os fabricantes. Apesar disso, em 2009 houve importantes lançamentos e acontecimentos no setor. Acompanhe essa retrospectiva em duas rodas mês a mês.

Janeiro
O ano de 2009 começou marcado pela entrada em vigor da terceira fase do Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Veículos Similares, o popular Promot 3, que estabeleceu normas mais rigorosas quanto aos níveis de poluição emitidos por motocicletas e outros veículos de duas rodas. A nova regulamentação já estimularia o lançamento de novos modelos que atendessem à lei. Porém, na prática a teoria foi outra.
Alegando prejuízos com a crise financeira mundial, os fabricantes queriam que o Promot 3 fosse prorrogado. O Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) negou, porém prorrogou as licenças que permitiam a fabricação de modelos que não atendiam à nova lei. Na prática, a liberação deu na mesma, já que as grandes marcas, exceto a Honda, continuaram a fabricar modelos mais poluentes até 31 de março.

Fevereiro
Em fevereiro, outra polêmica envolvendo o meio-ambiente e as motos. O Programa de Inspeção Veicular criado pela Prefeitura de São Paulo entrou em sua segunda fase em 2009. Com isso em fevereiro, além dos veículos a diesel e dos automóveis (fabricados a partir de 2003), todas as motocicletas licenciadas na cidade (exceto as com motores dois tempos) foram obrigadas a passar pela inspeção, que se limita apenas a verificar a emissão de poluentes. Deixando de lado importantes itens de segurança, como iluminação e freios.

Além de muitos motociclistas não fazerem a manutenção preventiva ou alterarem o sistema de exaustão, os métodos de medição da Controlar, empresa responsável pelo serviço na capital paulista, são diferentes dos métodos usados pelo Ibama para homologar os veículos. “Desconhecemos as razões para os valores estabelecidos para a inspeção em São Paulo”, afirmou à época Moacyr Alberto Paes, diretor-executivo da Abraciclo, associação dos fabricantes do setor de duas rodas.

O resultado foi que grande parte das motocicletas não foi aprovada e outra parcela não realizou a inspeção. Mais uma vez o setor de duas rodas figurou na grande imprensa como vilão do meio-ambiente.

Março
Em março, a Honda surpreendeu a todos e apresentou a CG 150 Mix, a primeira moto bicombustível do planeta. O lançamento, inclusive com repercussão mundial, aconteceu em Manaus (AM) e deixou para trás os concorrentes que alardeavam ter pronto um projeto de moto flex. Equipada com injeção eletrônica, a CG Mix pode rodar com gasolina ou álcool em qualquer proporção – apenas nos locais frios a Honda recomenda a utilização de uma quantidade de gasolina para facilitar a partida a frio.

Em pouco tempo, o modelo tornou-se sucesso nacional e superou as vendas do modelo a gasolina. Diversos testes da imprensa especializada mostravam que, em grande parte dos Estados brasileiros, o motociclista economizaria usando álcool. A montadora japonesa apresentou também a nova NXR 150 Bros, modelo de uso misto, já com a injeção eletrônica de combustível, porém a gasolina. A versão Mix da Bros só chegou ao mercado em setembro.

Abril
As vendas de motos não vinham bem desde o último trimestre de 2008 e também não começaram bem 2009: em fevereiro foram emplacadas pouco mais de 106 mil motos e o primeiro trimestre acumulou queda de 15%. Isso fez com que o governo federal reduzisse de 3% para 0% (zero) a Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) válida para motocicletas de até 150 cc por seis meses. A medida surtiu efeito ao menos no preço sugerido das motocicletas, porém o acesso ao financiamento de motos continuou dificultado pelas exigências das instituições financeiras. Como resultado, este ano o setor de duas rodas deve fechar em queda de 26% em relação a 2008.

Enquanto as motos de baixa cilindrada e grande volume de vendas demonstraram queda nas vendas, os modelos maiores e mais luxuosos tinham bons resultados. Tanto que em abril, a BMW lançou toda sua nova linha de 1.300 cc: a esportiva K 1300 S, a naked K 1300 R e a sport-touring K 1300 GT. Com novos motores, mais potentes, as motos alemãs traziam também muita tecnologia embarcada como freios ABS, controle de tração e assistente eletrônico para subir as marchas sem acionar a embreagem.
Abril também marcou a chegada de mais um modelo importado pela Kawasaki Motores do Brasil: a Z 750, com quatro cilindros que entrou no concorrido segmento de nakeds de média cilindrada para brigar com a Honda CB 600F Hornet, Suzuki Bandit 650 e Yamaha FZ-6N.

Maio
A Yamaha que, erroneamente, manteve o carburador em sua linha de 125cc, acertou ao lançar a nova custom XVS 950 Midnight Star. Com a missão de ocupar o espaço deixado pela Drag Star 650, a Midnight Star trazia injeção eletrônica, design moderno e ares de lançamento mundial, já que havia sido apresentada no Salão de Colônia em outubro de 2008. Mesmo mais caro, o elogiado modelo superava a principal rival, Honda Shadow 750, em diversos quesitos.

Junho
Em junho, a fabricante líder do mercado brasileiro contra atacou em várias frentes. Entrou no segmento de scooters com um produto de grande escala e sucesso mundial: o Lead 110, com injeção eletrônica de combustível e freios combinados.

Promoveu também um dos lançamentos mais esperados de 2009: a CB 300R, substituta da CBX 250 Twister, que havia saído de linha no fim de 2008 por não atender ao Promot 3. O motor, de mesma arquitetura, teve sua capacidade aumentada e ganhou injeção eletrônica. Com desenho inspirado nas nakeds de maior cilindrada da marca, a CB 300R logo caiu na graça do público. De quebra, a montador lançou a XRE 300, com o mesmo motor, para substituir a XR 250 Tornado e NX4 Falcon. Outra inovação em termos de desenho e com o tão pedido freio a disco na traseira.

Outro fato marcante, porém mundialmente, foi a realização da TT-XGP, a primeira prova com motocicletas ecologicamente corretas do planeta. E o palco para um acontecimento tão importante não poderia ser mais adequado, a “Meca” das corridas de moto, a Ilha de Man, palco de uma das mais antigas e famosas provas do mundo. Pioneira, a TTXGP teve uma volta no circuito de 60,72 Km de extensão. Para o idealizador da competição ecológica, o empresário inglês Azhar Hussain, as motocicletas elétricas serão a porta de entrada para equipes e pilotos para a próxima geração do esporte a motor.

Julho
O mês de julho começou com o anúncio da parceria entre a brasileira Dafra e a TVS Motor Company, uma das maiores fabricantes de motocicletas da Índia. O acordo prevê a fabricação de motos TVS em Manaus (AM). Para o presidente da TVS, Hardip Singh Goindi, o Brasil é um mercado muito importante, já que é o quinto maior do mundo. “Nossa intenção é oferecer produtos de alta tecnologia e que satisfaça o motociclista brasileiro”, conta Goindi. A primeira motocicleta fruto da aliança seria uma street com apelo esportivo, a Apache RTR 150, apresentada no Salão Duas Rodas em outubro.

Outra data marcante para os amantes de motocicletas foi o aniversário de 40 anos do filme “Sem Destino”, com Peter Fonda em Dennis Hopper, que estreou em julho de 1969 nos cinemas norte-americanos. Um dos ícones da contracultura nos anos 60. O longa-metragem transformou definitivamente a motocicleta em ícone de liberdade.

Como uma forma de celebrar a efeméride, julho registrou o melhor resultado em vendas de motocicletas neste ano. Foram emplacados 143.720 veículos de duas rodas, um crescimento de quase 7% se comparado junho. Pena que o viés de crescimento não se confirmou.

Agosto
Em agosto, entrou em vigor a lei que regulamentou a profissão de motofrete e mototaxista no Brasil. Sancionada pelo presidente Luís Inácio Lula da Silva, em 29 de julho, a lei impôs diversas regras ao exercício da profissão, como por exemplo, idade mínima de 21 anos completos; dois anos de Carteira Nacional de Habilitação na categoria “A”, ou seja, motocicleta, além de habilitação em curso especializado. Versa também sobre a motocicleta que deverá ser usada pelo profissional. A primeira exigência é registro na categoria “aluguel”, isto é, placa vermelha. As motos também deverão contar com alguns dispositivos de segurança, como: mata-cachorro e antenas corta-pipa, além de baú específico com faixas refletivas.

Enquanto os profissionais ganhavam reconhecimento, os motociclistas por lazer recebiam como novidade uma nova naked de média cilindrada: a BMW F 800 R. Equipada com um motor de dois cilindros em linha, a F 800 R era mais uma aposta da marca para aumentar a participação no mercado brasileiro.

Setembro
Enquanto acontecia na cidade de Chongqing, na China, a maior feira de motos daquele país, por aqui a brasileira Dafra assinava mais um acordo internacional. Dessa vez com a líder de vendas na China, a Haojue, que também fabrica as motos Suzuki no gigante asiático. O primeiro produto desta união é o scooter Smart 125. O modelo está equipado com motor monocilíndrico, OHC (comando simples no cabeçote) de 124,6 cm3, alimentado por sistema de injeção eletrônica. A Dafra também marcava sua entrada no segmento CUB e apresentou a Zig 100, com câmbio rotativo e preço atraente para brigar com a Honda Biz 125.

A Honda, por sua vez, mostrava sua preocupação com a segurança dos motociclistas e apresentou em setembro a linha de 300 cc – CB 300R e XRE 300 – equipada com freios ABS combinados. Projetados especialmente para esses modelos de baixa cilindrada, o novo sistema de freios garante frenagens mais controladas e seguras. Outra tacada da marca japonesa foi a ampliação de sua linha de motores bicombustíveis para a trail NXR 150 Bros e para a CG 150 Mix EX, top de linha da família CG.

Outubro
Outubro foi um mês de festa para o mercado de motocicletas. Entre 7 e 12 daquele mês aconteceu o maior evento do setor no Brasil e na América Latina, a 10ª edição do Salão Duas Rodas. De volta ao principal centro de exposições de São Paulo (SP), o Pavilhão do Anhembi, o salão reuniu 443 expositores e trouxe diversos lançamentos: entre eles a nova Yamaha V-Max, a Kawasaki ZX-10R, a Ducati 696, entre outros. Destaque também para a Kasinski, que tinha sido adquirida pela empresa sino-brasileira CR-Zongshen e lançou seis modelos no Salão.

Para os motociclistas diversas novidades em equipamentos, além de muita atração, como shows de wheeling e simuladores. Com o recorde de 240.000 visitantes, a Abraciclo, associação do setor, contaminada pelo otimismo, previu que as vendas de motos voltariam a subir até o final de 2009, o que, infelizmente, não aconteceu.

Enquanto no Brasil, o setor de motos festejava, nos Estados Unidos a crise financeira fazia suas vítimas. A Harley-Davidson anunciou em meados de outubro que paralisaria a produção das motos Buell. Sonho de seu criador, Erik Buell, a Harley alegou problemas financeiras e simplesmente fechou as portas da inovadora marca de motos esportivas. Recentemente, correm boatos de que Erik Buell não parou de sonhar e vai vender uma versão de pista da esportiva 1125R sob encomenda, o único modelo que não usava motor Harley e sim Rotax.

Novembro
A maior feira de motos do planeta, o Salão de Milão (ITA), que aconteceu entre 10 a 15 de novembro, foi marcado pela ausência de Honda e Yamaha. Aproveitando o vacilo das montadoras nipônicas, as marcas européias deitaram e rolaram. Destaque para a Ducati Multistrada 1200, nova big-trail italiana criada para brigar de igual para igual com a alemã BMW R 1200 GS. O penúltimo mês também registrou a estréia das motocicletas elétricas da californiana Zero no Brasil. Elogiados no exterior, os modelos da Zero inovam por ter uma bateria mais potente e com maior autonomia. Com desempenho satisfatório, poderiam ser uma alternativa limpa para o transporte diário, não fosse o preço proibitivo dos modelos importados pelo Grupo Izzo.

Enquanto, aqui no Brasil, a novidade eram motos que elétricas com alguns kilowatts de potência, em Portugal a BMW lançava para a imprensa mundial a sua nova superesportiva S 1000 RR. Equipada com um motor de quatro cilindros em linha e ainda mais potente que as japonesas, todos os jornalistas e pilotos que testaram a moto no autódromo de Portimão, no sul de Portugal, teceram diversos elogios não só ao desempenho, mas também à tecnologia do modelo.

Dezembro
Em 14 de dezembro, outra parceria da Dafra, desta vez com a alemã BMW, dava seu primeiro fruto: saía da linha de montagem da fábrica brasileira em Manaus, a primeira moto BMW montada fora da Europa. O acordo prevê que a Dafra monte, sob supervisão da BMW, no sistema CKD, o modelo G 650 GS. Porém toda a comercialização, garantia e pós-venda será feita pela marca alemã. A trail monocilíndrica vai chegar às concessionárias em fevereiro com freio ABS de série e preço de R$ 29.800.

Apesar do clima natalino no ar, os fabricantes de motocicletas não tinham muito a comemorar: anunciaram no início do mês que 2009 terminará com queda de 26% na produção. O cenário era formado por paralisação na produção e diminuição nas vendas. Oportunidade para pedir uma “mãozinha” ao governo. Na quinta-feira , 17 de dezembro, a notícia que o setor esperava: o ministro da Fazendo Guido Mantega, anunciou o retorno da isenção da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS), por 90 dias, para o setor de motocicletas, a partir de janeiro de 2010.

Além disso, foram liberados R$ 3 bilhões em linhas de crédito para a compra de motocicletas. Do total investido, R$ 200 milhões são procedentes de recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e R$ 2,8 bilhões serão disponibilizados pelas instituições financeiras.  “A Abraciclo acredita que esta decisão do Governo Federal junto à Caixa Econômica Federal e ao Banco do Brasil é prova de que o trabalho conjunto entre as entidades e os órgãos competentes traz bons resultados para o setor”, comemorou Paulo Shuiti Takeuchi, presidente da Abraciclo. Um verdadeiro presente de papai Noel para o mercado de duas rodas.

Clique aqui para ver fotos destes acontecimentos

Clique aqui para ver as matérias publicadas sobre motos até hoje no blog

Fonte:  Icarros

Essa e outras matérias você pode seguir pelo twitter

%d blogueiros gostam disto: