Início > Autos e Carros Chineses, Carros JAC Motors, Carros Nacionais, Lançamentos Previstos, Minivans > Novo Modelo J6 poderá colocar finalmente a JAC Motors num rumo de vendas estável?

Novo Modelo J6 poderá colocar finalmente a JAC Motors num rumo de vendas estável?

Muito boa a matéria veiculada ontem no site AUTOMOTIVE BUSINNESS, sobre o lançamento do modelo J6 da Jac Motors.

E de tão boa resolvemos publicar na íntegra, espero que gostem. A matéria trata do lançamento do veículo que poderá fazer a marca chinesa possa almejar a liderança em um dos segmentos automotivos de Mini Vans do mercado.

Assim como diz ter feito com o J3 (hatch e sedã), que começou a ser vendido em março deste ano, o importador dos carros da chinesa JAC para o Brasil, Sérgio Habib, primeiro precisou desconstruir e reconstruir a minivan J6, para só depois começar a vender o modelo de cinco ou sete lugares no mercado brasileiro. Segundo Habib, a chegada da J6 atrasou alguns meses porque diversas modificações foram feitas no veículo antes de embarcá-lo para cá, o que exigiu reengenharia e testes de 1 milhão de quilômetros, aqui e na China.

Ajustes feitos para o gosto brasileiro, o J6 chega neste mês às 50 concessionárias da JAC no Brasil por R$ 58,8 mil na versão de cinco lugares e R$ 59,9 mil na de sete. Ambos os modelos são “completões”, como diz o garoto propaganda da marca, o apresentador Fausto Silva. Eles vêm equipados com direção assistida, ar-condicionado digital, sistema de som, airbags frontais, freios com ABS (antitravamento) e EBD (distribuição eletrônica de frenagem). Mas há opcionais: pintura metálica (R$ 1.190), rodas de liga leve 17” (R$ 1.600) e revestimento dos bancos em couro (colocado nas concessionárias por R$ 1.400 para o cinco lugares e R$ 1.800 para o de sete).

Não há, no entanto, opção com câmbio automático – um conforto bastante solicitado em veículos nessa faixa de preço. “Não tem e nem vai ter tão cedo. A JAC está desenvolvendo um tipo de transmissão automática DCT (dupla embreagem) em uma empresa na Bélgica. Por isso ainda demora um pouco a chegar”, informa Habib.

Modificações

A maior modificação do J6 foi feita no trem-de-força, com substituição do motor 1.8 por outro 2.0 16V de 136 cavalos, desenvolvido pela JAC, o que levou à troca do câmbio. “Quem conhece engenharia automotiva sabe o tempo que leva para adaptar um carro a novos motor e câmbio”, justificou Habib. Também foi criada a versão J6 Diamond, de sete lugares, com a inclusão de uma terceira fileira com dois assentos removíveis no espaço do porta-malas, que acomodam bem duas crianças. Assim como o motor mais potente, a solução acaba gerando a sensação junto ao consumidor de estar se levando mais por menos.

Também não foi esquecida a já de praxe recalibragem da suspensão, para suportar as ruas brasileiras e o peso extra de dois passageiros. Na prática, quando está menos pesado, o carro parece pular mais, como foi possível constatar em um curto test drive de ida e volta entre São Paulo e São Roque. O motor 2.0, ainda “amaciando”, tem respostas preguiçosas, mas por certo o 1.8 original teria desempenho bem pior.

Os principais atributos positivos da minivan são seu grande e confortável espaço interno, garantido pelos 4,55 metros de comprimento, os bancos reclináveis também para os passageiros de trás e o amplo porta malas, de 720 litros sem a terceira fileira de assentos ou 195 litros na configuração para sete passageiros. É possível remover duas fileiras de bancos e ficar com espaço de 2,2 mil litros para transporte de cargas. No mais, o acabamento pode ser considerado aceitável, sem luxo, mas muito minimalista em relação aos principais concorrentes, como Chevrolet Zafira e mesmo o antigo Citroën Xsara Picasso.

O design, que saiu das pranchetas do famoso estúdio italiano Pininfarina, é moderno e até causa boa impressão visual, mas está longe de ser chamativo. Poucos nas ruas notaram a presença de um novo carro chinês na praça.

Mercado

“O mercado do J6 é interessante, porque na verdade não existe”, afirma Habib. “Os fabricantes não renovaram os modelos existentes e as vendas caíram para níveis muito baixos”, avalia. O executivo apresentou alguns números para comprovar sua tese. Em 2002, com apenas três modelos, o segmento de minivans tinha participação de 3,17% nas vendas. Hoje, com seis modelos (três deles importados), as vendas mal passam de 2 mil unidades por mês, algo como 0,6% do mercado.

Habib aposta que o J6 vai mudar isso. “Tem muita gente procurando carros com mais espaço interno e porta-malas, mas não encontra opções que pode comprar”, argumenta. Ele estima vendas de 1 mil a 1,5 mil unidades/mês, sendo 25% da versão cinco lugares e 75% da sete. “Vamos liderar o mercado de minivans porque o mercado está órfão”, sustenta. Por enquanto, 131 J6 foram vendidos na campanha de pré-venda do modelo.

O J6 chega com preço inferior aos concorrentes com motorização 2.0, caso da Chevrolet Zafira (começa em R$ 60,9 mil) e da Citroën C4 Picasso (parte de R$ 78,5 mil). Contudo, todos os seis participantes do segmento de minivans atualmente, inclusive os que custam menos do que o J6 (como a Citroën Xsara Picasso 1.6 de R$ 54 mil), vendem bem menos de 1 mil unidades/mês. O modelo da JAC, portanto, tem um desafio e tanto a superar.

Muito barulho, será que vale a pena?

A receita que Habib vai usar para conquistar mercado é a mesma já utilizada para o J3: muito barulho, com ampla campanha publicitária na TV, rádio, jornais, revistas e internet, incluindo merchandisings na Globo no Programa do Faustão e Mais Você, de Ana Maria Braga. Com isso, pretende atingir 47 milhões de pessoas.

“Até maio passado ninguém no Brasil sabia o que era a JAC. Hoje somos uma das 20 marcas mais lembradas do País”, afirma Habib, citando recente levantamento da publicação Meio&Mensagem. Com mais exposição da marca, o importador estima que as vendas de todos os modelos da JAC subam das atuais 3 mil unidades/mês para 5 mil.

“Existe uma máxima em marketing que diz que a melhor maneira de se matar um produto é fazer um grande lançamento de um produto ruim”, diz Habib, para justificar porque monitora de perto as modificações que pede nos carros que vêm para o Brasil – ela passa uma semana por mês na China e está pelo menos uma vez a cada dois meses no centro de desenvolvimento da JAC em Turim, na Itália. “A única coisa que faria a JAC não dar certo no Brasil era ter problema de qualidade. E não vamos ter porque tomamos todos os cuidados com muitos testes para evitar isso”, garante.

O tempo dirá se isso é verdade. Até lá, Habib vai vendendo sua marca chinesa que o tempo todo ele parece tentar descolar da imagem da China – como, por exemplo, dizendo que no centro de engenharia da JAC em Turim, em meio a mais de 50 pessoas, “só trabalha um chinês, e mesmo assim de Hong Kong”, ou que o design dos carros é italiano, ou que o novo câmbio automático está sendo projetado na Bélgica, ou já colando nas propagandas o selo “fábrica no Brasil” para um produto importado. Com um bom marketing, parece que em tudo se dá jeito.

“Vendemos carros em 80 países, mas nosso maior orgulho é o Brasil. O consumidor brasileiro é muito esperto. O senhor Sérgio (Habib) é muito esperto”, resumiu o vice-presidente mundial da JAC Motors, Dai Maofang, também presente ao lançamento do J6, dias depois de anunciar a construção de uma fábrica no Brasil em sociedade com o grupo de Habib, que terá participação majoritária no empreendimento….

Anúncios
  1. marco frança
    agosto 8, 2011 às 6:19 pm

    Sou fã da Jac motors no Brasil. Sergio Habib cara inteligente e sabio. Continue assim.
    As minhas considerações a respeito é: 1ª A FABRICA NO NOSSO PAÍS. 2º Produtos como esse e melhor ainda e preços sempre competitivos. A quando vai chegar o lindo j2 ao Brasil. Obs. Um carrão como o j6 diamond deveria vim com cambio automatico. No mais Tudo de bom. Continuem sempre assim SERGIO HABIB. Marco de Brasilia. Boa tarde.

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: